Infecção urinária: por que você não pode ignorar esses sintomas

Você já sentiu uma ardência ao urinar? Ou então, foi pego(a) por aquela dorzinha chata na barriga sem razão aparente? Cuidado! Esses sintomas podem significar uma infecção urinária.

A maior parte das pessoas, em algum momento da vida, já tiveram – ou terão – infecções no organismo. E a infecção urinária é a mais comum entre elas.

Mas o que é infecção urinária?

A infecção urinária é o surgimento de bactérias no sistema urinário que podem ser nocivas e afetar os rins, a bexiga, a uretra e os ureteres.

Quando os “invasores” se instalam entre a uretra e a bexiga, a infecção é chamada de cistite. Já nos rins, é conhecida como pielonefrite, e quando afeta a vagina, é diagnosticada como vulvovaginite.

De olho nos sintomas

Nem sempre os sintomas serão os mesmos – já que depende muito do local em que as bactérias se abrigaram no nosso corpo.

Porém, alguns sinais podem ajudar a descobrir a infecção, dentre eles estão: a ardência ao urinar, as alterações na urina – como mudança na coloração, presença de sangue e odores mais forte -, e até mesmo as dores e os incômodos na pélvis.

Além disso, preste atenção na frequência que você vai ao banheiro. O aumento – e também diminuição – de vezes que você faz “xixi” é um importante indício de que a saúde do seu aparelho urinário está prejudicada, do mesmo modo que a incontinência pode significar a infecção.

Porque as mulheres são as mais afetadas?

Mulheres sofrem mais com a infecção urinária devido a curta distância entre a uretra e o ânus – que facilitam o caminho para as bactérias entrarem no organismo.

Na anatomia da mulher, a uretra mede apenas 3cm de distância. Já no homem, esse tamanho aumenta para 20cm.

Identifique os tipos de infecção

Cistite: Causada por bactérias que podem ser provenientes do trato gastrointestinal – mas as relações sexuais também são capazes de desenvolvê-la. A falta de tratamento resulta no “vai e volta” desses microrganismos, podendo se tornar em uma cistite crônica.

Uretrite: É uma inflamação no canal da uretra e também é originada do trato gastrointestinal – por conta da anatomia feminina já explicada acima. As infecções por clamídia – bactéria que surge através de relações sexuais – pode evoluir para a uretrite, além de ocasionar herpes e gonorreia.

Vulvovaginite: A vulvovaginite atinge a pele que protege as aberturas da vagina, deixando-a exposta e causando coceiras, corrimentos e ardências.

Pielonefrite: Essa infecção afeta os rins e geralmente vem da uretra ou da bexiga. A permanência dos invasores no organismo pode lesionar gravemente o órgão e ainda chegar na corrente sanguínea, complicando ainda mais o grau da doença.

A pielonefrite causa dores na lombar, febre, vontade descontrolada de ir ao banheiro, pouco fluxo na hora de fazer “xixi”, sangramento e ardência.

Como prevenir a infecção urinária

Mantenha o corpo hidratado

Sabe quando você consome bastante água e a sua urina fica clarinha? É assim que deve ser sempre. A água ajuda a “lavar” os tratos intestinais e mantém o fluxo de urina ativo e saudável. E lembre-se: uma urina muito amarela pode ser o corpo pedindo por mais água, ok?

Mantenha sua higiene íntima impecável

Um corpo sujo e úmido é tudo o que as bactérias precisam para se proliferar. A própria vagina produz microrganismos que podem ser infecciosos, então use sabonetes com pH adequado para a área e limpe-se muito bem após evacuar.

Na hora do sexo

Outra dica é sempre urinar após as relações sexuais. O “xixi” ajuda a liberar as bactérias que surgiram durante o sexo, evitando que elas entrem pelo canal da uretra e se alojem na bexiga.

Como tratar a infecção urinária?

Apesar de ser de fácil de eliminar essas bactérias, o tratamento precisa ser feito corretamente para evitar possíveis complicações no futuro.

Caso você tenha identificado algum dos sintomas acima, busque auxílio médico. Os profissionais que passam as medicações e os cuidados adequados são os clínicos gerais, ginecologistas e urologistas.

Texto: Camila Oliveira/Colaboradora